Home » Loja Quem Somos | Nossos Clientes | Notícias | Artigos  |  Minha Conta  |  Carrinho  |  Realizar Pedido   
Categorias
 Auditoria
 Contabilidade
 Créditos Tributários
 Cursos Online
 cursos Presenciais
 Economia Tributária
 Gerenciamento
 Imposto de Renda
 IPI
 Planejamento Tributário
 Processo Administrativo Fiscal
 Trabalhista
 Listagem de E-books
Leitura dos Guias
Mais vendidos
Auxiliar de Departamento Pessoal
Auxiliar de Departamento Pessoal


Produto teste
Produto teste


Curso Online - Canal de Denúncias
Curso Online - Canal de Denúncias


Curso Online - Formação de Auditores Internos - Teoria e Prática
Curso Online - Formação de Auditores Internos - Teoria e Prática


Curso Online Espionagem Empresarial - Invasão de Privacidade
Curso Online Espionagem Empresarial - Invasão de Privacidade


Busca Rápida
 
Use palavras-chave para achar o que procura.
Busca Avançada
Newsletter
E-mail:

Área de atuação:

Informações
Notas de Privacidade
Condições de Uso
Fale Conosco
Estatísticas
No momento há
 105 Visitantes online.
02/03/2010
Proteja sua empresa com o Planejamento Tributário
Planejamento Tributário - grande ferramenta do contribuinte

Proteja sua empresa com o Planejamento Tributário

É de notório conhecimento que o nível de tributação sobre as empresas e pessoas físicas no Brasil é absurdo, chegando a inviabilizar certos negócios. A vontade arrecadatória do governo é cada vez mais voraz, para poder cumprir suas metas de políticas cambiais e financeiras, aumentar suas políticas sociais e sem precisar economizar com sua terrível "máquina estatal", desta forma as metas arrecadatórias só tendem a aumentar.

Empresas quebram com elevadas dívidas fiscais, e nem as recentes “renegociações”, como REFIS, PAES e PAEX, trouxeram alguma tranqüilidade ao contribuinte.

A casta política insiste em manter a situação como está, com “reformas tributárias” que na verdade são mais aumentos de tributos. São mais de 80 tipos de tributos diferentes (entre impostos, taxas e contribuições).

O contribuinte tem 3 atitudes diante deste quadro de derrama:

1. Sonegar tributos, vendendo sem nota e não registrando todas as operações em sua escrituração.

2. Pleitear, mediante sindicatos e órgãos de classe, uma reforma tributária decente, que não aumente a tributação e distribua de forma mais justa a carga fiscal e

3. Utilizar seu direito constitucional e realizar planejamento tributário, de forma ativa, contínua e eficaz.

A atitude 1 é ilegal, e pode trazer danosos comprometimentos, por multas pesadíssimas e possibilidade de enquadramento em punição por crime tributário.

A opção 2 é indicada, porém, os próprios sindicatos e órgãos da classe parecem “paralisados” diante da derrama nacional. Mas, sempre uma alternativa, se bem que de resultado de longo prazo, pois a laia política brasileira é pouco sensível aos pleitos da classe média e do pequeno e médio empresário, pois são justamente estes que mais pagam tributos em relação à renda disponível.

Resta a opção 3, trabalhosa, mas lícita, uma verdadeira forma de “dar o troco”. Milhares de empresas e profissionais liberais têm se despertado para utilizarem seu direito legítimo, constitucional, de organizar seus negócios e atividades, visando um menor pagamento de tributos.

Uma das grandes dificuldades na gestão de tributos é que o empresário concorda com o valor da DARF enviada pela Contabilidade no final do mês, sem ao menos tentar entender ou questionar como funciona a sistemática tributária de sua empresa, pelo menos para propor uma redução do custo fiscal. A Contabilidade apenas apura o tributo, não podendo mudar a situação tributária, porém quando o contribuinte faz um gerenciamento prévio há como reduzir o custo tributário.

Nesse sentido temos que estar atentos no qual regime tributário optar: Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido e além disso investir em profissionais qualificados para pagar menos impostos dentro da lei.

 

Fonte: Redação www.Maph.com.br

 

Acesse alguns de nossos manuais que foram elaborados para propiciar economia tributária para as empresas

Planejamento Tributário 2010 - Transição do Lucro Presumido e Simples Nacional para o Lucro Real

Assuntos relacionados

Créditos de Pis e Cofins - Alíquota Zero, Suspensão, Isenção e Não Incidência

Os prejuízos fiscais que não puderem ser compensados na apuração do lucro real


Planejamento Tributário | SPED | Créditos de PIS e COFINS | Cálculos IRPJ - Lucro Real | Acompanhamento Tributário | Fechamento de Balanço | Contabilidade Tributária | Simples Nacional | ICMS | IRPF | IPI | ISS | IRPJ - Lucro Presumido | IRPJ - Lucro Real | Defesas Tributárias

VOLTAR
Carrinho mais
0 itens
Download
Novidades
Fale conosco
Comentário mais
3- Auditoria Trabalhista
boa como um estrangeiro pode adquirir com urgencia este man ..
5 de 5 Estrelas!
 
Curitiba – PR – Fone/Fax: (41) 3272-8507
Parceiros: Portal dos Aplicativos - Melhor Loja Web